Um Colaborador se Contrata ou Adquire?

Recentemente uma amiga (a mesma que necessitou escrever uma carta de despedida) me contou sobre seu desempenho no novo emprego, o que me deixou bastante satisfeito. Porém, em um dos comentários da chefia dela, foi dito que ela foi uma ótima aquisição.


Ótima aquisição?! Mas que história é essa?

Essa expressão é uma das que não concordo no meio corporativo. Se for feita em uma pesquisa na web, ou mesmo uma consulta no dicionário, veremos que aquisição é o ato de adquirir, e é relativo à obtenção, compra.

Também pode ser utilizado para aprendizagem: aquisição de conhecimentos. Então, não há como um colaborador ser adquirido; uma empresa contrata um colaborador, e não o adquire.

Outra expressão que não concordo é o termo que utilizei anteriormente, como forma de ilustração: colaborador. Pelo significado da palavra, colaborador é aquele que colabora com os outros de forma a realização de um trabalho comum. Perfeito até aí. Porém, vamos fazer uma análise mais profunda sobre o termo, com um exemplo.

Você é uma pessoa ótima no que faz, referência no seu trabalho e todos gostam muito de você. Atualmente você trabalha na empresa X. Um gerente da empresa Y, em busca de pessoas que melhorem o resultado da empresa onde “colabora”, decide fazer uma busca por um novo talento, e chegam aos ouvidos dele o seu nome.

Ele chega até você e diz que gostaria de contar com sua colaboração para fazer parte de seu quadro de colaboradores, pois gostou muito do trabalho que você desenvolve. Você, que precisa de dinheiro para viver (pois ainda não faz fotossíntese), pergunta sobre o salário.

Aí é que é o ponto: se é para colaborar via pagamento de salário, então você se tornou (ou se tornará) um funcionário, pois você está “vendendo sua força de trabalho” (Wikipédia).

Outro detalhe: pense nas empresas terceirizadas prestadoras de serviço. Elas são, seguramente, empresas colaboradoras das que as contrataram (empresa contratante), e seus funcionários são também colaboradores da contratante. Será que a empresa contratante chamará os empregados terceirizados de colaboradores?

E o que acha sobre os termos discutidos no artigo?

Um Colaborador se Contrata ou Adquire? Sua empresa já contratou alguém, ou fez uma aquisição? Você é um funcionário ou colaborador da empresa onde trabalha?

O importante é destacar que, independente do termo utilizado, uma das partes mais importantes em qualquer empresa é o recurso humano, pois o funcionário dessa empresa é cliente de outra, sendo que sua opinião é de muito valor em vários aspectos.

26 Comments

  • rebonelli disse:

    Na minha opinião adquiri-se um objeto, um imóvel por exemplo, agora se tratando de seres humanos se contrata .Acho que o contratante ai nocaso foi infeliz ao usar este termo.

    abraço

  • Raquel disse:

    Olha, tudo bem que ela/ele não precisava dizer "aquisição". Mas eu nunca gostei de "colaborador". Para mim, soa como um eufemismo para "funcionário", porque no fim das contas não é essa postaura de considerar como colaborador que adotam com o funcionário. Sei lá, eu só não gosto, mas eu não entendo nada dessas técnicas psicotécnicoempresariais… É uma área fascinante, mas eu com certeza estou fora dessa.

    beijocas, Iuri!
    My recent post Bom estar com você, brincar com você.

  • Iúri disse:

    Olá Rê,

    Também acho que foi infeliz, mas o problema é que esses termos estão se tornando moda nas empresas. Acho muito ruim essa utilização.

    Abraços.

  • Iúri disse:

    Olá Raquel,

    Acho que aquisição ficou terrível, mas eu já ouvi falar isso em mais de uma empresa. E sobre colaborador, também acho terrível…

    O engraçado é que tentam dar uma nova roupagem a essas expressões não sei o porquê, como se isso, de alguma forma, mexesse com a auto estima das pessoas. Será que elas se sentem mais valorizadas ao serem chamadas de colaboradoras? Também estou fora dessa :D

    Beijos!

  • Raquel disse:

    Acho que sim, viu? Foram poucas as pessoas que eu conheci que reclamassem desse "colaborador". Talvez ele se sinta mais "sócio" por isso? hahaha Não sei, só que não vejo nada demais em ser um funcionário. Vc tem uma "função", não tem? Esse lance das expressões devem ter surgido como alguma técnica de motivação, mas tem maneiras menos bobas de fazer isso.
    Enfim, se pelo menos a empresa não enxergar o funcionário como só mais uma peça no tabuleiro, já é alguma coisa.;) bye :*
    My recent post Bom estar com você, brincar com você.

  • Iúri disse:

    É verdade… não tinha pensado sobre essa questão do "sócio", rsrsrs. Esse pessoal do marketing é bom mesmo hein. Também concordo que não há problemas quanto ser um funcionário, pois temos função e somos pagos para isso.

    Na verdade quase nunca ouvi reclamações, mas quando comecei a "disseminar" minha visão, várias pessoas passaram a concordar :D

    Beijos!

  • Erick Figueiredo disse:

    Colaborar, na realidade significaria trabalhar junto.
    Um colaborador, em um jornal, não escreve exclusivamente para aquele jornal nem por ele é contratado.
    Em algumas ocasiões são chamados colaboradores justamente para descaracterizar a condição de empregados, que podem não ser registrados, como os "terceirizados" e convencer ao trabalhador registrado a "colaborar" além do que reza o contrato de trabalho.

  • Olá Iúri:
    Pois tudo isto depende do conceito mais ou menos purista que se queira fazer dos vocábulos de uma língua.
    Creio que caminhamos para uma elasticidade vocabular muito por força dos modernismos das ciências mais recentes e de grande impacto no mundo de hoje. O caso da Economia, entre outras.
    Referir-se "aquisição" tratando-se de uma pessoa, em minha opinião não é correcto. Mas em boa verdade ele vem se aplicando cada vez mais. Aliás também se diz que o sr A ou o sr B é uma "mais valia" para a empresa X. O que também não está correcto. O sr A ou o sr B não é nenhum produto ou máquina, mas sim uma pessoa.
    Ora bem, novos tempos, novas linguagens, eu diria de uma maneira simplista.
    Temos que aligeirar os termos (vocábulos) em vez de os adensar (complicar)
    abraço
    My recent post Liberdade e armadilhas

  • Iúri disse:

    Olá Erick,

    Concordo com seu ponto de vista, mas vou um pouco além: e as recepcionistas de tal jornal, a equipe de limpeza, de manutenção dos elevadores e de informática, que em sua maioria são de empresas contratadas (terceirizadas), não são também colaboradores(as)? Tais pessoas não aparecem nas apresentações de resultados das empresas, sendo esse o ponto que foco: como alguém que colabora com uma empresa, e é funcionário dessa, pode ser chamado de colaborador, e quem também colabora, mas é de uma empresa terceirizada, não é chamado assim?

    E sobre o jornalista que é um colaborador, nesse caso imagino que se assemelha mais a um convidado, já que esse não tem vínculo nenhum com o jornal.

    Abraços.

  • Iúri disse:

    Olá Antonio,

    Pelo seu comentário esses novos termos vão além das empresas no Brasil, o que vem a confirmar o que disse. Você complementou de forma corretíssima o artigo: temos que tornar as coisas mais simples, inclusive o vocabulário.

    Imagino que muitos utilizam o termo "aquisição" para dar uma impressão de grande valor à pessoa contratada, o que é incorreto. Agora, ser colaborador ou não, é uma questão de ponto de vista.

    Grande abraço!

  • O Ruminante disse:

    Existe uma grande onda que apela para inovação para se manter em evidência sem que realmente esteja inovando em algo ou, pior ainda, saiba o que realmente seja inovar.
    Este tipo de gente começa a ler material sobre carreira e trabalho, não entende nada e ainda tenta utilizar termos que foram criados só para fingir que as coisas são diferentes.

    Muito mais do que terminologias, o tratamento que damos as pessoas é o que há de mais importante, em qualquer ambiente.

    E ai consegui colaborar com o blog?

    Abraços
    My recent post O Mais Puro Amor de São Dionísio – Parte Final

  • Sr. Funcional disse:

    Eu to desempregado :(
    Mas kero vender minha força de trabalho pois ainda nao aprendi a fazer fotossintese!
    My recent post Mini Eminem pop

  • Iúri disse:

    Conseguiu de verdade grande Ruminante! Essa reflexão foi digna do Carreirista, hein :D

    Você sintetizou todo o pensamento no seu comentário, concordo contigo completamente.

    Abraços.

  • Iúri disse:

    Mister Funcional,

    Estar desempregado é sem dúvida muito ruim, mas espero que em breve você consiga vender sua força de trabalho, pois fazer fotossíntese é uma fase da evolução humana um pouco distante :D

    Grande abraço.

  • Adelson disse:

    Olá, Iúri!

    Seu texto é mesmo interessante. Isso é comum no mundo empresarial: com o tempo, vão se criando novos termos para conceitos antigos, talvez com a idéia de que isso passe a impressão de ser algo novo. (Nossa, que frase enrolada! risos).

    Durante esta semana mesmo, durante reuniões com os membros de minha equipe, um deles me disse que vem percebendo que a empresa está cada vez mais tratando-os como "colaboradores" e não mais como "funcionários". No caso, ele quis dizer que não se sente mais apenas como uma pessoa que é paga para fazer o seu trabalho, e sim como uma parte importante da empresa.

    Mas, no fundo, são apenas palavras. Mais do que o termo utilizado, o que vale mesmo é a postura da empresa com relação aos funcionários ou colaboradores que ela adquire ou contrata. Independente disso, trata-se de uma relação com pessoas que têm necessidades, não apenas materiais. Não é o fato de mudar o termo utilizado que as fará melhores ou piores, se isso não se refletir em uma mudança real no tratamento dado às pessoas.

    Um abraço!
    My recent post Google Buzz: Como Divulgar seu Blog

  • Márcia Can&ec disse:

    Oi Iúri, realmente é uma complicaçao isso.. adquirimos bens móveis ou imóveis ..não pessoas. Um funcionário é antes de tudo ser humano, ele adoece, sofre acidentes , tem uma noite mal dormida tal qual o patrão…. a partir do momento que um empregador considera uma pessoa uma aquisição ,ele está classificando ela como coisa e desta forma pode ser substituido se, nenhum vinculo emocional. Eu, essa é uma opnião minha, longe querer ser dona da verdade, acho que por mais que deva sim existir um certo distanciamento entre patrão/ funcionário , nunca devem-se esquecer que um depende do outro, a harmonia entre ambos é necessária e colabora para o bom andamento do processo.

    Beijos no coração.Parabéns pelo post, excelente.
    Márcia Canêdo

  • Iúri disse:

    Olá Márcia,

    Concordo plenamente contigo! Na verdade, apesar do pessoal de RH querer "valorizar" a pessoa dizendo que ela foi uma ótima aquisição, há o lado ruim desse termo, tendo em vista que faz com que a pessoa pareça um objeto.

    Na verdade, tanto o pessoal de RH, quanto a alta direção de qualquer empresa devem sempre lembrar que os funcionários são o bem mais precioso da empresa.

    Beijos, e muito obrigado pela participação.

  • G. Adonias disse:

    No mundo em que vivemos, o uso de conotação em certos termos tem por objetivo enganar o desavisado e destruir o conhecimento da língua portuguesa, nesse caso ele está dando o mesmo significado para palavras diferentes. Não é necessário comentar sobre os significados e é clara a objetividade dos mesmos. Não adquirimos pessoas e contratamos funcionários, nada disso serve para um colaborador.

  • Iúri disse:

    Olá Adelson,

    A frase não foi enrolada não, explicitou exatamente o que acontece: tentar mostrar coisas novas com coisas velhas.

    Essa observação que um membro de sua equipe fez eu acho super pertinente, até porque o que aconteceu foi isso mesmo, ele está se sentindo diferente quanto ao posicionamento na empresa. O problema é que só se fala em colaborador, como se fosse ruim ser funcionário.

    E parabéns a você por fazer com que sua equipe se sinta cada vez mais parte da empresa!

    Grande abraço.

  • Iúri disse:

    Olá Superatrativo,

    Talvez possa ter sido uma colocação infeliz de chefe ao dizer que a funcionária foi uma aquisição. Porém, como muitos termos novos viram "moda" logo, não é a primeira vez que ouço.

    Realmente é difícil entender a cabeça das pessoas que criam termos assim, ao invés de valorizar as pessoas mudando classificações, deveriam ser mudadas as atitudes frente tais pessoas.

    Abraços.

  • Iúri disse:

    Não acredito que o objetivo seja de enganar, mas apenas de dar uma "maquiada" em termos antigos, de modo a aumentar a motivação das pessoas.

    Porém, como disse em um comentário anterior, o melhor é que o tratamento às pessoas fosse melhorado (condições de trabalho, por exemplo), e não só a criação ou utilização de outros termos para seu tratamento.

    Abraço.

  • José disse:

    Olá Iúri,

    Nestes comentários já se disse quase tudo, mas eu gostaria de acrescentar que uma palavra, uma expressão são muitas vezes estabelecidas pela frequência do uso, seja por estratos sociais, profissionais, por regiões e até por períodos de tempo.

    Daí que eu aceite as expressões, independentemente de gostar ou não de as ouvir. Elas têm sido usadas com frequência tal, nas empresas, que já fazem parte da linguagem corrente. (cont)

    My recent post Criatividade Sim Mas Com Limites!

  • José disse:

    Iúri este é a continuação do anterior.

    Aqui em Portugal os funcionários são os que exercem um função em cargo público (tirei a definição do dicionário). É corrente dizer por exêmplo: funcionário público. Nos Bancos todos são colaboradores. De facto todos trabalham em comum, uns com os outros na mesma obra. que é fazer com que o Banco tenha o maior lucro possível. ksksks

    Quanto à palavra aquisição: ela é de uso corrente nas empresas, no futebol, etc.
    E em linguagem quando a moda pega ela tem muita força. :D
    Abraços

    My recent post Criatividade Sim Mas Com Limites!

  • Iúri disse:

    Olá José,

    Realmente os comentários foram bem interessantes, e complementaram de forma maravilhosa o post. Obrigado por vir e comentar também…

    [continua]

  • Iúri disse:

    José,

    Aqui também é uma diferenciação (que quase ninguém usa) entre empregado e funcionário, mas, em resumo, ambos são a mesma coisa. O que acho estranho é que algumas pessoas (geralmente de marketing ou RH) que essas palavras são pejorativas, devido à utilização de "venda da força de trabalho" em suas definições. Mas não é nada disso! Além do mais, colaborar vai além dos próprios funcionários da empresa – os terceiros também são colaboradores.

    E realmente tem se tornado freqüente o uso da palavra aquisição, acho que a moda já pegou :|

    Abraços!

Deixe uma resposta

CommentLuv badge

  • RSS
  • Twitter