Execução de Tarefas: Em Paralelo ou Em Série?

Atualmente, o foco de muitas empresas é o aumento do seu desempenho, ou seja, fazer mais com o mesmo – ou com menos, se possível. Uma das teorias que baliza esse pensamento é o Downsizing, que trata do enxugamento do quadro de funcionários e redistribuição de tarefas, de forma a reduzir a burocracia entre níveis hierárquicos.

Com essa crescente necessidade do aumento de desempenho, é muito importante que se pense na forma de melhorar os processos existentes dentro de uma organização. Essa é uma das partes mais difíceis pois, teoricamente, cada um já busca fazer o melhor com as ferramentas que tem (como disse, em teoria cada um busca isso, o que muitas vezes não é verdade).

A otimização do tempo, principalmente nesse contexto, é uma das mais importantes ferramentas. Com base nesse pensamento, e sabendo que cada vez mais se tem mais tarefas a realizar, uma pergunta surgiu:Como devo fazer as tarefas: paralelamente (um pouco de cada, revezando entre elas) ou em série (uma de cada vez)?

Tarefas: Execução paralela versus em série

Vamos analisar cada caso, com um exemplo prático: Supondo que haja 5 tarefas (que serão numeradas de 1 a 5, todas possuem a mesma duração e prioridade, e a execução de todas pode ser feita em 1 semana).

Você – com um excelente conhecimento do tempo de execução de cada uma – sabe que consegue fazer, por dia, 20% de cada tarefa, no caso da execução paralela. Então, em 1 semana (5 dias úteis), executando 20% de cada tarefa por dia, consegue executar as 5 tarefas. Essa análise pode ser vista na figura abaixo.

Tarefas em Paralelo
Analisando esse gráfico, percebemos que na segunda-feira, 20% de cada tarefa está completa. Já na quarta-feira, 60% de cada tarefa está completa. Ou seja, todas as tarefas estão sendo executadas, mas não se tem nenhuma completa. Somente na sexta-feira se tem todas completas. Perfeito!

Por outro lado, como as 5 tarefas possuem a mesma duração, e se consegue completá-las em 1 semana, pode-se executar 1 tarefa por dia. Vamos partir agora para essa análise: as tarefas em série, conforme o gráfico abaixo.

Tarefas em Serie
O que se percebe? Que na segunda-feira, a tarefa 1 está completamente realizada. Já na quarta-feira, as tarefas 1, 2 e 3 já estão completamente realizadas – porém as tarefas 4 e 5 nem foram iniciadas. E na sexta-feira, adivinhe: todas estão completas! Perfeito também!

Então, qual a diferença, se no final do meu prazo todas estarão completas?

Vou utilizar um outro exemplo, e você mesmo responderá essa pergunta.
O seu chefe, que entende a dificuldade da execução de muitas tarefas que lhe foram passadas, passa as 5 tarefas para você na segunda-feira pela manhã, e lhe dá o prazo até o final da sexta-feira. Porém, como todo bom chefe, ele passa antes do prazo final e lhe pergunta o andamento dessas tarefas (quarta-feira, por exemplo). O quê você responderá?

Se você está executando as tarefas paralelamente, a resposta poderá ser: Já fiz mais da metade das 5 tarefas, porém ainda não completei nenhuma.

Se você está executando as tarefas em série, a resposta poderá ser: Já completei as tarefas 1 e 2 e termino a tarefa 3 hoje. Ainda não comecei a 4 e 5.

Com a qual ele ficará mais satisfeito? Não sei, ainda não sou chefe :D – mas imagino que ele ficará com a que apresentar algum resultado quando de sua pergunta.

A diferença básica entre os métodos é que a execução em paralelo te dá a sensação de evolução no desenvolvimento das tarefas maior que a execução em série; porém, a execução em série lhe apresenta resultados antes do término do prazo.

E qual eu devo escolher?

Isso é uma questão de ponto de vista, ou modo de pensar, como queiram. Na verdade, pode ser uma questão de ponto de vista do seu chefe…
Veja qual a melhor opção se adapta ao seu perfil, e mãos à obra!

2 Comments

  • […] total de 30 peças em 1 hora. Portanto, a relação peças/trabalhador em 1 hora é de 6, ou seja, 1 trabalhador produz 6 peças em 1 hora (ou 6 peças são produzidas por hora, por […]

  • Armando Rodrigues disse:

    Acredito que na prática corremos o risco de descobrir que precisamos de mais informações que levem alguns dias para obter e levar ao atraso na conclusão de alguma tarefa. Portanto penso que o melhor seria uma abordagem mista, ou seja, cobrimos 20% de cada tarefa na segunda feira, assim se precisarmos de dados adicionais, ou de deixarmos o subconsciente trabalhar em algum ponto, teremos tempo para isso e a partir de terça feira poderemos concentrar 80% do tempo em uma tarefa e o restante em administrar o conjunto de tarefas. Se realmente temos até sexta para terminar todas as tarefas, não acho que devemos priorizar a forma de informar o andamento ao chefe às custas do resultado final a não ser que exista algo mais grave no relacionamento com o chefe.

Deixe uma resposta

CommentLuv badge

  • RSS
  • Twitter