Downsizing e a Sobrecarga dos Funcionários

Sem dúvida estamos vivendo uma nova ordem mundial. Mas não me refiro ao contexto sócio-econômico pós-Guerra Fria, estou me referindo à velocidade com que as coisas estão ocorrendo (como é uma ação contínua, cabe o gerúndio).

E quem é o grande responsável por toda essa mudança? Sem dúvida (ou melhor, posso arriscar) o maior responsável foi a popularização dos computadores pessoais. O trabalho que era realizado por uma grande equipe de pessoas no passado, atualmente é feito por uma ou duas, com um tempo menor, e muitas vezes com maior qualidade.

Lembro a história que um amigo contabilista me contou uma vez. Antigamente a folha de pagamento era feita por várias pessoas, que eram dedicadas a isso, e tal folha demorava quase o mês inteiro para ser calculada. Hoje, basta pressionar algumas teclas, digitar alguns comandos e pronto! A grande equipe foi reduzida a poucos funcionários.

Por outro lado, com o aumento da velocidade do desenvolvimento dos cálculos, relatórios, etc., houve também a necessidade do aumento de desempenho dessas equipes (que já tiveram seu desempenho aumentado pela utilização dos computadores), para que as empresas se tornassem mais competitivas.

Em conjunto com a popularização dos computadores e a necessidade de aumento do desempenho das empresas, surgiu uma nova teoria na administração: o Downsizing.

O que é o Downsizing?

Como o objetivo do blog é tornar as coisas simples assim, vou explicar da mesma forma simples como deve ser. O Downsizing é uma técnica que visa eliminar a burocracia entre níveis hierárquicos, organizando essa estrutura de modo a torná-la mais eficiente. No português claro, é o achatamento da estrutura hierárquica, que leva na maioria das vezes a muitas demissões em uma empresa.

Por que isso é feito?

Imagine uma situação: Em uma empresa qualquer, 5 pessoas produzem um total de 30 peças em 1 hora. Portanto, a relação peças/trabalhador em 1 hora é de 6, ou seja, 1 trabalhador produz 6 peças em 1 hora (ou 6 peças são produzidas por hora, por trabalhador).

Vamos dizer agora que um consultor chega a essa empresa e, com base em seus conhecimentos de administração, diz que o quadro de funcionários está com excedentes, e faz uma reengenharia: ele sugere que são necessários somente 3 funcionários para produzir as mesmas 30 peças em 1 hora.

Vamos refazer nossos cálculos: 3 trabalhadores produzindo as mesmas 30 peças dá uma relação de 10 peças por trabalhador, em 1 hora! Veja como a eficiência da empresa aumentou: agora são produzidas mais 4 peças por hora, com um número menor de funcionários. Esse consultor é bom mesmo…

E como ficam os trabalhadores que permaneceram na empresa?

Esse é o grande ponto, onde podem ser detectadas duas situações:

  1. Realmente a empresa estava “inflada”, e o downsizing veio na medida, tornando a estrutura enxuta o suficiente para que realmente o desempenho da empresa aumente;
  2. A estrutura da empresa ficou enxuta demais, e os funcionários que permaneceram nela agora estão sobrecarregados.

Na primeira situação as informações entre níveis são mais rápidas, assim como os resultados. Os produtos melhoram, os acionistas e clientes ficam satisfeitos, etc. Nem preciso dizer mais nada.

Já na segunda situação é onde mora o perigo: geralmente as consequências são funcionários estressados e desmotivados, resultados atrasados, e muitas vezes clientes insatisfeitos. Outro grande problema é que nem sempre essas “4 peças” que são obtidas com a “melhoria” dos resultados são iguais às 6 peças que eram produzidas anteriormente.

Downsizing e a Sobrecarga dos Funcionários

O que fazer então?

Infelizmente não sou consultor, nem especialista no assunto: sou somente um funcionário, que busca dar o melhor de si em prol da empresa e do desenvolvimento de meu trabalho. E por ser assim, como a maioria da população, acho que a maior contribuição que um funcionário pode dar é sua experiência, é ser ouvido.

O consultor que for projetar o downsizing deve conhecer bem as tarefas que serão modificadas.

Essa técnica não é só reduzir o número de postos de trabalho, é reorganizar uma área / tarefa, de modo que o aumento do desempenho seja realmente perceptível. Deve-se ter em mente que os trabalhadores que permaneceram na empresa terão mais tarefas, mas tais trabalhadores não podem ser sacrificados.

Em resumo: deve-se fazer com que os trabalhadores afetados pelo downsizing participem dessa estrutura, fazer com que eles sintam que realmente são parte da nova mudança e que o empenho deles fará toda a diferença, tanto para a empresa, quanto para o desenvolvimento de seu trabalho.

Deixe uma resposta

CommentLuv badge

  • RSS
  • Twitter